Pode apoiar a Fundação Gonçalo da Silveira ao preencher o campo 11 do modelo 3 na sua Declaração de IRS.

 

A consignação de 0,5% do IRS não tem qualquer custo. É um gesto rápido e simples que lhe permite ajudar, sem ter que gastar.

Para apoiar a Fundação Gonçalo da Silveira basta que preencha o campo 11 do modelo 3 com o nosso NIF 507 002 130 e escolher “IRS”. Sem esquecer também de selecionar a opção “Instituições Particulares de Solidariedade Social ou Pessoas Coletivas de Utilidade Pública (art. 32.º n.º 6 da Lei n.º 16/2001, de 22 de junho)”.

Também pode apoiar a Fundação Gonçalo da Silveira com a dedução de 15% do IVA (colocando uma cruz no respetivo quadrado). No entanto, neste caso está a prescindir deste benefício entregando-o como donativo à nossa instituição.

Banner IRS - formulário full

Os donativos efetuados representam uma importante fonte de receita para a Fundação Gonçalo da Silveira permitindo-nos dar continuidade aos nossos projetos de Educação, de Formação, Cidadania Global e Desenvolvimento, fundamentais para garantir a equidade, a solidariedade e a transformação social.

Saiba mais sobre os nossos projetos através dos nossos Relatórios e Contas ou subscrevendo a nossa Newsletter.

 

 

O que significa consignar 0,5% do meu IRS?

Por norma, os impostos que todos nós pagamos destinam-se a financiar as despesas públicas do Estado sem que tenhamos uma decisão direta sobre a sua aplicação. A exceção é a consignação de 0,5% do IRS. Esta facilidade permite-lhe decidir onde é que o Estado aplicará 0,5% do total de impostos que lhe cobrou ao longo do ano. A consignação de 0,5% do IRS não tem qualquer custo para o contribuinte. O donativo de 0,5% é retirado do imposto total que o Estado liquida, não afetando o que tenha a receber das finanças.

 

E o que significa consignar 15% do IVA suportado?

Doar o benefício fiscal de 15% do IVA suportado é uma nova possibilidade de apoiar as instituições sem fins lucrativos. Se optar por esta facilidade, abdica de um valor que lhe está automaticamente atribuído, entregando-o a uma instituição como donativo. Este valor deriva das faturas de reparações de automóvel, cabeleireiros e despesas com restauração e hotelaria (conforme previsto no n.º 1 do artigo 78.º-F do Código do IRS).