Vê do Benomotapa o grande império,
De selvática gente, negra e nua,
Onde Gonçalo morte e vitupério
Padecerá, pela Fé santa sua.

Lusíadas, canto X, estrofe XCIII

 

Dom Gonçalo da Silveira

Gonçalo da Silveira nasceu em Almeirim, a 23 de fevereiro de 1521, no seio de uma família nobre. Décimo filho do primeiro Conde de Sortelha, desde cedo mostrou espírito missionário, ingressando na Companhia de Jesus aos 22 anos de idade.

Foram seus contemporâneos Santo Inácio de Loiola, fundador da Companhia de Jesus, e São Francisco Xavier, deixando marca no seu percurso religioso.

Reconhecido como excelente orador, Gonçalo da Silveira foi o primeiro Superior da Casa Professa de São Roque, em Lisboa. Fora de Portugal, e respondendo ao seu desejo de ser missionário, Gonçalo da Silveira foi missionário em Goa e, de seguida, superior provincial dos Jesuítas. De Goa partiu para África, onde criou e alargou as missões jesuítas em Gamba, Tongue, Inhambane e no reino do Monomotapa. Na corte do Monomotapa foi bem acolhido, com ofertas e privilégios que ele recusa. O seu desinteresse e desprendimento face aos bens materiais, rapidamente conquistaram o rei do Monomotapa. Mais tarde, no entanto, por pressão de comerciantes muçulmanos e portugueses – receosos da influência do Padre Gonçalo – o rei dá ordem para o matar. Morre aos 40 anos de idade, depois de uma vida dedicada à busca do magis, que aprendera nos Exercícios Espirituais de Santo Inácio.